Apesar de já conseguir escrever a uma velocidade que me satisfaz nestes teclados virtuais dos tablets, confesso que tenho saudades do contacto “molástico” das teclas do meu computador, mas uma vontade terapêutica de escrever, faz me atacar o ecran e escrever…

Entrei numa odisseia na minha vida e numa experiência comunitária de teatro que se chama Odisseia e acontece em Seia.

Apesar de conhecer bem estas paragens, onde não apenas passei de visita, mas também a fazer espectáculos no tempo do Teatro das Beiras… mas apesar disso, sou ainda surpreendido pelas gentes e por estes lugares… ou talvez a memória – cada vez mais cheia – vai apagando as recordações de outros tempos e tudo volta a ter um novo input: antropológico, social, cultural e emocional.

Aqui o tempo também é diferente. Diferente do Alentejo, mas também interferindo duma outra forma na dimensão do espaço/tempo. Uma dimensão que se reflete nas expressões das pessoas, na sua forma de andar e verbalizar, num qualquer receio pela própria existência… os corpos andam a medo, meio crispados, quase a pedir desculpa por ocuparem a sua existência… Talvez o frio os tenha soldado, numa repressão dos desejos… Os olhares parecem estar num passado e as colunas vertebrais vergam o corpo a olhar o chão, como se não houvesse uma visão de futuro…s

Seia corre devagar, como os empregados das câmaras, que parecem não terem horas para começar, só para acabar… Seia parece me assim, lenta, encrustada na serra.

Todos os dias ao pequeno almoço, da janela, vejo um agricultor a cultivar a terra. Já lá vão 3 dias, e o seu trabalho parece que não evolui, o terreno que ele está a cavar, não passa do mesmo metro quadrado do primeiro dia.

Um processos de teatro comunitário, tem um princípio Sociocrático – as decisões são tomadas em consenso mesmo que haja opiniões contrárias – onde tudo e todos contam, onde as vivências são matéria prima dramaturgica. Onde se misturam as directrizes técnicas com a ingenuidade e a sede de apreender das pessoas. Onde as assimetrias das regiões e das mentalidades se fundem no processo criativo do espectáculo. 

Odisseia termina hoje a sua residência e processo de criação em Seia, que juntou mais de 25 pessoas dos concelho de Seia, Fornos de Algodres, Gouveia, Celorico da Beira e Manteigas – onde serão apresentados os espectáculos – com uma equipa de 10 profissionais da ASTA.

A estreia será no próximo dia 2 de Julho em Seia. Apareçam e deixem se surpreender por um espectáculo contemporâneo que funde os saberes e as histórias das gentes da serra da estrela com os ritmos que saem de instrumentos e artefactos cénicos criados de destroços dos nossos tempos.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s