Monthly Archives: Junho 2011

Reinventamo-nos vezes sem conta… ás vezes até cansa sermos nós próprios… Fazemo-nos promessas depois das experiencias não terem resultado, que vezes sem conta acabamos por quebrar no desejo incerto de sermos felizes…

Quantas portas se tem de bater, até que alguma se abra e possamos lá descansar… há um arrasto do tempo que pesa nas costas, uma sombra no agora que não nos deixa saltar pró futuro…

No tecto do quarto passam os filmes da nossa existência, quando com a cabeça na almofada sonhamos com os olhos despertos…

 

 

 

 

 

O homem que queria ser água

… talvez por ser da idade – não pela cronológica, mas pela da experiência dos dias e das coisas… também sem duvida pela oportunidade e pelo desafio que o João Moura me lançou -criar um espectáculo sobre a água para as comemorações do Ano Internacional da Química.

Talvez porque quando nos desafiamos a nós mesmos e nos atiramos para um vazio de emoções e sensações, as coisas ganham formas que por vezes nos surpreendem a existência e a completam…

Um pouco por tudo e por nada e principalmente por esta vida de entrega e comunicação ao próximo… sempre com o Teatro latente pela sua pedagogia, terapia e entretenimento.

O homem que queria ser água, é um conto dividido em várias partes, sobre a história de uma personagem – um homem que sempre sonhou em se transformar em água. O espectáculo contará episódios do processo que este homem passou. O seu percurso pela vida, as suas experiências e transformações. Uma reflexão filosófica sobre um pensamento científico longamente elaborado e até mesmo um processo alquímico.

O homem tem de passar pelos 4 elementos da natureza para ascender ao seu propósito: transformar-se em água. Assim o faz, acabando por morrer/renascer através do fogo – única forma que encontra para se transmutar em água.

Uma alusão onírica e de imagem poéticas sobre a importância e a magnitude da água, sem esquecer os aspectos ecológicos.

O espectáculo estreia no dia 07 de Dezembro no auditório da Biblioteca da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa no Campus da Caparica.

Desde já estão todos convidados. O projecto agora em fase ainda embrionária terá várias fases que se querem interactivas e a seu tempo serão criadas as ferramentas para que exista essa interacção e a possibilidade da vossa participação e opinião – atempadamente seguirá mais informação.

Até logo 🙂